Please reload

Posts Recentes

MP 936 retira direitos trabalhistas e não poupa nem as gestantes

May 20, 2020

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

20% dos desocupados estão sem trabalho há 2 anos

February 25, 2017

Um em cada cinco brasileiros desempregados está sem trabalhar há mais de dois anos. Eles são 2,3 milhões, ou 20%, dos 11,7 milhões que, na média de 2016, procuraram sem sucesso por recolocação. Em 2015, eram 1,5 milhão, 17,6% do total. No Norte e Nordeste, a situação é ainda pior: praticamente um em cada quatro está sem emprego há mais de dois anos. Dados complementares da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua mostram que a participação desse grupo no total passou de 20% para 24% entre 2015 e 2016.

Assim como em 2015, a deterioração do emprego nessas duas regiões foi significativamente maior do que na média do país - quadro evidente em praticamente todas as variáveis do levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No Nordeste, o nível de ocupação recuou 4,9% em 2016, mais que o dobro da queda total média, 1,9%. A massa real de rendimentos encolheu 6,3%, contra retração de 3,5% na média. O volume de vagas com carteira assinada em ambas as localidades recuou 7%, ante 3,9% no país.

A estrutura do mercado de trabalho nos dois locais explica em parte o desempenho, já que o emprego informal, que tem maior participação na composição das vagas, é mais sensível aos ciclos econômicos, diz Adriano Pitoli, da Tendências Consultoria. No caso específico do Nordeste, ele acrescenta, somam-se ainda a seca severa dos últimos anos e a contração mais forte do Produto Interno Bruto (PIB) - de 4,7% em média em 2015 e 2016, segundo as estimativas elaboradas pela consultoria, contra 3,7% na média do país.

"A seca afetou muito a economia da Bahia", ele ressalta, referindo-se ao Estado com a maior taxa média de desemprego no ano passado, 15,9%, ante 11,5% na média nacional e de 6,3% em Santa Catarina, a menor registrada. Pernambuco, que viu o desemprego escalar de 9,9% em 2015 para 14,5%, o terceiro maior, sofre ainda os efeitos do esgotamento do modelo de crescimento que alimentou o avanço expressivo do produto em anos anteriores, com pesados investimentos públicos em empreendimentos que, em muitos casos, acabaram não sendo concluídos. "A recuperação aí vai ser mais difícil".

A região como um todo é historicamente dependente da administração pública, que, ao lado da agricultura e do comércio, está entre os maiores empregadores, destacam os economistas Aírton Valente Júnior e Hellen Leão, do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene) do Banco do Nordeste, localizado em Fortaleza. Em 2015, a região concentrava 27,5% dos empregados no setor público do país, 3,2 milhões de postos - número que encolheu a 2,9 milhões, queda de 5,8%. O volume de vagas no serviço público também diminui no Sudeste de um ano para outro, mas em magnitude menor, 1,8%.

"Embora haja diferença de nível, todas as regiões registraram elevação importante do desemprego", pondera a coordenadora do Sistema de Pesquisas de Emprego e Desemprego do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Lucia Garcia. Apesar de generalizado, o aumento teve causas distintas nas diferentes regiões. No Norte e Nordeste, o corte expressivo de vagas pesou mais. No Sul e Sudeste, a maior procura por recolocação pressionou mais a taxa.

Esse último aspecto fica claro quando se observa a taxa de atividade, a proporção daqueles empregados ou à procura de uma vaga em relação ao total da população em idade ativa. Enquanto no Norte e Nordeste ela recua de 61,4% para 60,9% e de 57% para 55,6% entre 2015 e 2016, sobe em todas as demais localidades, chegando a 63,5% no Sudeste, 64,3% no Sul e 65,2% no Centro-Oeste.

"As regiões com maior dinamismo têm tradicionalmente maior taxa de atividade", afirma Lucia. Em locais em que a escassez de oportunidades e de formas de inserção no mercado é histórica, há um desestímulo à busca por emprego em períodos de crise.

O cenário para 2017 é mais alentador, afirma Pitoli, da Tendências. No Nordeste, a melhora das condições climáticas favorecerá a agroindústria, setor que também puxará a economia do Centro-Oeste. "O país vai sair de uma quebra forte [em 2015] para uma supersafra". O alívio deve ser maior especialmente nos "polos irrigados", afirmam Valente Junior e Hellen, como o Vale do Jaguaribe, no Ceará, e Petrolina, em Pernambuco, produtores e exportadores de frutas.

O Norte será beneficiado pela recuperação cíclica do polo industrial de Manaus e pela maturação de investimentos da Vale no Pará, além da recuperação dos preços de algumas commodities. Assim, o economista projeta que a massa de rendimentos diminua 0,1% neste ano, ante 1,6% na média nacional. No Nordeste, a queda prevista é de 1,1%. Sul e Sudeste registrariam quedas fortes de 2,3% e de 1,8%, respectivamente, já que dependem da recuperação de setores mais influenciados pelo ciclo, especialmente da indústria.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags