Please reload

Posts Recentes

Desemprego no Brasil bate recorde e atinge 13,1 milhões de pessoas

October 1, 2020

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

Protesto contra aplicação da reforma trabalhista foi forte e nacional

November 13, 2017

Ocorreram manifestações em 27 capitais e grandes cidades do País

 

 

Na véspera de entrar em vigor a agressiva reforma trabalhista de Temer, o sindicalismo mostrou unidade e poder de mobilização. O Dia Nacional de Luta em Defesa dos Direitos realizado sexta (10) cumpriu o prometido: protestou, fez greves e principalmente paralisou.

O protesto chamado pelas entidades de base, com forte apoio das Centrais Sindicais na reta final, teve duplo formato: nos locais de trabalho, especialmente fábricas (com destaque para o sindicalismo metalúrgico), foi de massa; nas manifestações públicas agregou dirigentes, militantes, ativistas e grupamentos de categorias mais urbanas.

Além das paralisações nas fábricas em São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Goiás, entre outros centros industriais, ocorreram manifestações nas 27 Capitais do País e grandes cidades ou polos econômicos pelo Interior. A mobilização uniu categorias de peso, como petroleiros, químicos, condutores, professores, bancários, portuários, servidores, comerciários, frentistas, padeiros, trabalhadores na alimentação e construção civil.

Para o consultor sindical João Guilherme Vargas Neto, “a jornada foi cumprida com êxito, dentro do esperado”. Segundo ele, a forte predominância metalúrgica expressa o acúmulo de ações do movimento Brasil Metalúrgico e também se encaixa nas campanhas salariais da categoria. Ele menciona o cartaz unitário do ato e arremata: “É o acorda peão em marcha”.

O coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros, José Maria Rangel, relatou à Agência Sindical como foi a mobilização da categoria. “Ocorreram manifestações na virada de turnos das refinarias em todo o País, bases administrativas do Sistema Petrobras e aeroportos, onde há embarque de trabalhadores para as plataformas em alto mar”, contou.

“Começamos a parar as fábricas ontem (quinta) à noite no Norte de Minas, em Pirapora. Temos paralisações de metalúrgicos, eletricitários, petroleiros e outras categorias em muitas regiões Temos que organizar a greve geral, caso o governo tente aprovar a reforma da Previdência”, ressaltou Zé Maria de Almeida, dirigente da Federação Democrática dos Metalúrgicos de Minas Gerais.

São Paulo - A manifestação na Praça da Sé, ponto histórico das jornadas democráticas, reuniu em SP no final da manhã os principais dirigentes das Centrais Sindicais e outras entidades. O Fórum Sindical dos Trabalhadores, que congrega 22 Confederações, também marcou presença.

Artur Bueno de Camargo, presidente da CNTA e coordenador do FST, destacou o caráter nacional do movimento e atos fortes em várias cidades. Sua fala: “Os companheiros relatam protestos em todas as Capitais. Estive em Campinas cedo e o ato estava muito forte”. Além das críticas à reforma, Artur entende ser preciso politizar o discurso e apertar a fiscalização sobre deputados e senadores.

Juruna - João Carlos Gonçalves, secretário-geral da Força Sindical, valorizou a unidade do sindicalismo e a capacidade de mobilização. Diz Juruna: “O protesto mostra não só nosso repúdio ao corte de direitos. Ele acumula forças para futuras negociações com o patronato, o Congresso e o próprio governo”.

Miguel Torres, presidente da CNTM (Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos) e do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes e vice-presidente da Força Sindical, informou que "nas últimas semanas, aconteceram, em todo o País, diversos encontros, seminários, congressos, jornadas e outros eventos destinados a debater a reforma trabalhista (Lei 13.467/2017), avaliar seus impactos ou orientar a resistência, nas frentes cabíveis. Um dos eventos de peso foi a 2ª Jornada de Direito Material e Processual do Trabalho da Anamatra".
 

FONTE: Agência Sindical e assessoria de imprensa da Força

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Sindicato da Alimentação de Sorocaba​


Tel: (15) 3339-9250------
E-mail: sindicato@sindalimento.com.br
Endereço​​​​​​: Rua Piauí, 105 - Centro
Sorocaba - SP 18035-580

Filiado a

Subsede Tatuí


Tel: (15) 3259-6055
Endereço​​​​​​: Rua Aureliano de Camargo, 35
 - Centro - Tatuí - SP 18271-130

Siga-nos

  • Facebook Social Icon
  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle

Sindalimento

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now