Please reload

Posts Recentes

Frigoríficos aumentam propagação de covid-19 no interior do país

June 25, 2020

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

Centrais sindicais confirmam greve geral no dia 19 contra reforma da Previdência

February 17, 2018

CUT afirma que agora é a hora de intensificar a pressão, apesar de a reforma na aposentadoria ter sido praticamente engavetada no Congresso por causa da intervenção no Rio de Janeiro

 

 


As centrais sindicais não cogitam cancelar a greve geral de segunda-feira (19), apesar de a reforma da Previdência ter sido praticamente engavetada no Congresso após o anúncio da intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro nesta sexta-feira (16). Pelo contrário, a ordem é intensificar a pressão sobre o governo de Michel Temer.

 

“A pressão precisa ser ampliada neste momento, pois essa é única maneira de garantir que não mexam na aposentadoria dos trabalhadores e trabalhadoras”, disse, em nota, o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas. “A nossa luta é para enterrar de vez a reforma. E uma das estratégias é realizar uma forte mobilização no dia 19, com greves e paralisações, além de intensificar as ações nas ruas e nas redes”, completou.

 

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC paulista, por exemplo, anunciou que a paralisação está mantida para o dai 19, já que o “risco da reforma persiste” e a mobilização se mantém, principalmente após Temer afirmar que, quando a reforma da Previdência estiver pronta para ser votada no Congresso, pretende cessar a intervenção.

 

A PEC da reforma previdenciária estava na pauta da Câmara da próxima semana, mas foi retirada depois do protocolo do decreto de Temer, já que a Constituição não pode ser emendada na vigência de intervenção federal, de estado de defesa ou de estado de sítio.

 

VEJA MAIS: Saiba quais cidades já têm atos confirmados contra a reforma da Previdência

Segundo o presidente do sindicato Wagner Santana, a orientação é “para os trabalhadores não irem às fábricas na próxima segunda-feira”. “Vamos mostrar a resistência da classe trabalhadora e impedir a aprovação dessa reforma”, afirmou o dirigente sindical. “Temos de dar o recado de que essa proposta não interessa aos trabalhadores e não pode ser feita por um governo sem nenhuma legitimidade. Não vamos permitir esse desmonte”, acrescentou.

 

O Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região também decidiu paralisar suas atividades na segunda-feira. Maior central do país e historicamente ligada ao PT, a CUT garante que a adesão à greve geral está aumentando e que o movimento deverá ser mais robusto desta vez. Principalmente porque servirá, também, para defender o direito do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se candidatar nas eleições de outubro.

 

Condenado pela Justiça em segunda instância no caso do tríplex do Guarujá (SP), Lula virou “ficha suja” e não poderá concorrer à Presidência da República ou a qualquer outro cargo eletivo com base na Lei da Ficha Limpa – exceto se obtiver uma decisão favorável na Justiça.

 

Histórico de fracassos

 

As greves gerais contra as reformas estão sendo realizadas pelas centrais desde o ano passado, com maior ou menor adesão. A última promessa de paralisação total do Brasil foi um fiasco: virou apenas um amontoado de atos em diversas cidades. O primeiro protesto de 2018 vem na esteira da condenação de Lula no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em 24 de janeiro.

 

Poucos dias depois, as sete centrais – CSB, CTB, CUT, Força Sindical, Nova Central, UGT, Intersindical – já convocavam para a “jornada nacional de luta”. A orientação é de que as bases em todos os estados entrassem em “estado de alerta e mobilização nacional imediata”. A proposta era para a realização de assembleias e plenárias, além de ações de panfletagens e blitz em aeroportos, tudo como instrumento de pressão para os parlamentares desistirem de votar a Previdência. Representantes das centrais estiveram reunidos com Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, na semana passada, também como estratégia para pressionar a não votação da reforma.

 

Leia também: ‘Ou vai, ou racha’: governo apela até para frases de efeito para aprovar reforma

O presidente da CUT, Vagner Freitas, prometeu paralisar o Brasil caso o petista seja impedido de ser candidato. Segundo ele, quanto mais cresce as intenções de voto em Lula nas pesquisas e ele acena que, se eleito, revogará, com o apoio do povo brasileiro, as medidas que retiram direitos, mais ele é perseguido pela mídia e setores do Judiciário. “Por isso, garantir Lula candidato e apoiar a sua eleição será fundamental. Faz parte da nossa estratégia de resistência e defesa dos direitos”, disse.

 

 

Fonte: Gazeta do Povo

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags