Please reload

Posts Recentes

Desemprego no Brasil bate recorde e atinge 13,1 milhões de pessoas

October 1, 2020

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

Congresso aprova decreto sobre intervenção no Rio

February 26, 2018

 

O Senado aprovou nesta terça-feira (20) o decreto de intervenção federal na segurança pública do Estado do Rio de Janeiro, assinado na sexta (16) pelo presidente Michel Temer. Em votação nominal, 55 senadores votaram a favor da intervenção e 13 foram contrários e houve uma abstenção. Pouco antes do início da sessão, o senador Eduardo Lopes (PRB-RJ) foi designado relator. Ele é suplente de Marcelo Crivella (PRB), que deixou o mandato para assumir a prefeitura do Rio de Janeiro em 2017. 

Com a aprovação pelos deputados e senadores, o documento é transformado em um decreto legislativo que será publicado no Diário Oficial, encerrando sua tramitação. Editado pelo presidente da República na última sexta, o texto entrou em vigor imediatamente, mas precisava passar por uma análise do Congresso, onde poderia ser confirmado ou derrubado. 

A tramitação se deu em regime de urgência no Legislativo e foi acompanhada pelo ministro da Justiça, Raul Jungmann, nas duas Casas. Na Câmara, a aprovação ocorreu nesta madrugada, com 340 votos a favor, apenas 72 contra e uma abstenção, depois de mais de sete horas de sessão. 

O relator disse que apresentará em separado propostas para garantir o bom andamento da medida. "Se há um estado de exceção, nós temos que dar todo empenho e todo o sacrifício necessário para realizar esse trabalho", disse. Lopes disse ainda não saber como serão garantidos os recursos para o Estado, mas que a partir da aprovação do decreto passaria a trabalhar pelo orçamento. 

A relatora na Câmara, deputada Laura Carneiro (MDB-RJ), também fez três sugestões à parte. Entre outros pontos ela pediu a garantia de recursos para ações de segurança pública no Estado do Rio de Janeiro. Cinco senadores fizeram discursos de apoio ao decreto, entre eles a senadora Marta Suplicy (MDB-SP) que chamou a decisão de "corajosa" e "absolutamente necessária". "O cenário presente é de desgoverno total na área de segurança pública." 

Outros cinco parlamentares criticaram a medida, como o petista Humberto Costa (PE). "Este é um governo paspalhão e esta intervenção é uma intervenção Tabajara", disse. O senador Renan Calheiros pediu a palavra várias vezes para fazer críticas à decisão do governo. Ele chamou a intervenção de "decorativa" e disse que ela "expõe as Forças Armadas". No entanto, ao final, disse que votaria a favor do decreto por entender que ele é "inevitável". 

Rio

O Rio de Janeiro passa por uma grave crise política e econômica, com reflexos diretos na segurança pública. Desde junho de 2016, o Estado está em situação de calamidade pública e conta com o auxílio das Forças Armadas desde setembro do ano passado. Com a escalada nos índices de violência, o presidente Michel Temer (MDB) decretou a intervenção federal na segurança pública do Estado, medida que conta com o apoio do governador Luiz Fernando Pezão, também do MDB. 

Temer nomeou como interventor o general do Exército Walter Braga Netto. Ele, na prática, é o chefe das forças de segurança do Estado, como se acumulasse a Secretaria da Segurança Pública e a de Administração Penitenciária, com PM, Civil, bombeiros e agentes carcerários sob o seu comando. Braga Netto trabalha agora em um plano de ação. A intervenção ficará em vigor, segundo o texto, até o dia 31 de dezembro de 2018. É a primeira vez desde que a Constituição Federal de 1988 entrou em vigor que é decretada uma intervenção federal. 

As Forças Armadas já estão atuando no Estado, desde julho de 2017, quando Temer assinou um decreto de GLO (Garantia da Lei e da Ordem), que permite a presença dos militares nas atividades de segurança pública. A diferença era que desde então, as forças da União seguiam ordens do poder estadual, mas com a intervenção passam a responder diretamente a Braga Netto. 

Ministério Público

O Ministério Público Federal divulgou na noite desta terça uma nota técnica criticando alguns pontos do decreto feito por Temer. No texto, a Procuradoria fala na existência de "vícios" no texto do Executivo. A instituição afirma que se esses pontos não forem resolvidos "podem representar graves violações à ordem constitucional e, sobretudo, aos direitos humanos". 

O MPF diz ainda ter decidido divulgar a nota depois de Jungmann ter dito na segunda-feira (19) que o interventor poderia pedir à Justiça o cumprimento de mandatos coletivos de busca, apreensão e captura. Inicialmente o ministro falou em mandado coletivo de prisão também. Contudo, depois de repercussão negativa, o governo recuou da medida ainda na noite de segunda. Ainda na nota técnica, o MPF critica a duração da ação dizendo que o prazo de 31 de dezembro deste ano foi feito "de forma peremptória e sem considerar eventual evolução da situação, parece atentar contra a exigência constitucional".

 

Fonte: Jornal Cruzeiro do Sul

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Sindicato da Alimentação de Sorocaba​


Tel: (15) 3339-9250------
E-mail: sindicato@sindalimento.com.br
Endereço​​​​​​: Rua Piauí, 105 - Centro
Sorocaba - SP 18035-580

Filiado a

Subsede Tatuí


Tel: (15) 3259-6055
Endereço​​​​​​: Rua Aureliano de Camargo, 35
 - Centro - Tatuí - SP 18271-130

Siga-nos

  • Facebook Social Icon
  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle

Sindalimento

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now