Please reload

Posts Recentes

Auxílio emergencial de R$ 300 não compra cesta básica

September 10, 2020

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

1° de Maio em defesa dos direitos reúne mais de 200 mil em São Paulo e mais de 1 milhão no País

May 3, 2019

Artistas, dirigentes sindicais, líderes políticos, movimentos sociais e expressivo público contra a reforma da Previdência que retira direitos e aprovam greve geral prevista para 14 de junho contra os retrocessos.

 

Veja fotos do evento no Flickr da Central.

 

Com shows populares desde às 10h desta quarta, o 1° de Maio de 2019, o Dia do Trabalhador Unificado das Centrais Sindicais reuniu mais de 200 mil pessoas no Vale do Anhangabaú, centro de São Paulo. No Brasil todo, os atos unificados reuniram mais de 1 milhão e meio de pessoas.

 

As centrais sindicais e os sindicatos organizaram os eventos com ênfase na luta contra o fim da aposentadoria, em defesa da democracia e por mais empregos e salários decentes.

 

Os eventos também serviram para reafirmar o dia 14 de junho como indicativo de um Dia de Greve Geral em todo o Brasil, contra as reformas que retiram direitos sociais, trabalhistas e previdenciários da classe trabalhadora.

 

Miguel Torres, presidente da Força Sindical, destacou que este 1° de Maio representa um marco histórico para a luta das centrais sindicais pela retomada do desenvolvimento econômico do Brasil com geração de empregos e resgate dos direitos da classe trabalhadora. "Estamos defendendo o País e a greve geral será a continuidade desta luta".

 

Miguel Torres, que também preside a Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos (CNTM), destacou a ação vitoriosa da entidade no STF. "O ministro Alexandre de Moraes acatou nossa ação e suspendeu a norma que admitia que trabalhadoras grávidas e lactantes desempenhassem atividades em atividades insalubres. Derrubamos por tanto um dos mais injustos itens da reforma trabalhista. O desafio agora é derrubar a reforma da Previdência", diz Miguel Torres.

 

Mônica Veloso, vice-presidente da CNTM, disse que as mulheres trabalhadoras exigem e merecem respeito e repudiam o "turismo" sexual propagado em recente declaração do Bolsonaro.

 

Sérgio Leite, o Serginho, presidente da Fequimfar, destacou que não será com a destruição da Previdência e dos direitos que o País sairá da crise. "Precisamos de desenvolvimento, empregos e dinheiro no bolso do povo".

 

Para Paulinho da Força, deputado federal pelo Solidariedade, o momento exige unidade. "Foi um ato histórico, que nos deu força para convocar a greve para 14 de junho".

 

João Carlos Gonçalves, Juruna, secretário-geral da Força Sindical, destacou a importância histórica do 1° de Maio para "saudar os líderes e os trabalhadores do passado e as lutas do presente".

 

Antônio Ramalho, do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Paulo, afirmou que o País só sairá da crise com a retomada do desenvolvimento, geração de empregos e um novo ciclo de obras que garanta moradias dignas para todos os brasileiros.

 

Também falaram representantes das demais centrais: CUT, CGTB, CSB, CTB, CSP-Conlutas, Intersindical (Classe Trabalhadora), Nova Central, Intersindical (Instrumento de Luta e Organização) e UGT.

 

Vagner Freitas, da CUT, disse que os movimentos sindical e sociais têm coragem para lutar para que o Brasil volte aos eixos, inclusive com justiça tributária e com a retomada dos investimentos em saúde e educação. "Ninguém vai nos calar, ninguém impedirá a voz do povo brasileiro".

 

Presidente da UGT, Ricardo Patah, destacou a "unidade das centrais e a necessidade urgente de a luta crescer contra o terrível problema do desemprego".

 

Antonio Neto, da CSB, reafirmou que a paralisação da classe trabalhadora, através da unidade das centrais, mostrará ao governo que o povo trabalhador não aceita a reforma da Previdência nem desistirá das batalhas por dias melhores.

 

Pela CTB, Adilson Araújo também destacou a unidade das centrais neste momento de reflexão e de repúdio ao neoliberalismo e ao "assustador" curso da vida política no País.

 

 

"Dizemos não a este governo que não nos representa”.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Sindicato da Alimentação de Sorocaba​


Tel: (15) 3339-9250------
E-mail: sindicato@sindalimento.com.br
Endereço​​​​​​: Rua Piauí, 105 - Centro
Sorocaba - SP 18035-580

Filiado a

Subsede Tatuí


Tel: (15) 3259-6055
Endereço​​​​​​: Rua Aureliano de Camargo, 35
 - Centro - Tatuí - SP 18271-130

Siga-nos

  • Facebook Social Icon
  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle

Sindalimento

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now