Please reload

Posts Recentes

Desemprego no Brasil bate recorde e atinge 13,1 milhões de pessoas

October 1, 2020

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

Governo reduz de R$ 1.079 a R$ 1.067 previsão de salário mínimo para 2021

September 3, 2020

 

O governo reduziu sua proposta para o salário mínimo de 2021 para 1.067 reais, de 1.079 reais previstos em abril pela equipe econômica.

A mudança consta no Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA), enviado pelo Ministério da Economia ao Congresso nesta segunda-feira, 31, data final do prazo, e ainda depende de aval dos parlamentares.

Em abril, quando o Executivo entregou o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) aos parlamenteres, os efeitos do isolamento social impediam cálculos mais precisos sobre o desempenho da atividade, segundo o ministério da Economia explicou à época.

 
Regra de reajustes

O governo Bolsonaro já não vinha dando aumento real (acima da inflação) ao piso. Apesar de não reconhecer que mudou a política do salário mínimo, a equipe econômica adotou a postura diante da necessidade de preservar o reajuste fiscal. Isso foi antes de chegar a pandemia.

Agora, a possibilidade de um aumento acima da inflação não está nem mesmo sendo considerada pela maioria dos parlamentares, que têm assuntos mais urgentes na frente, como os relacionados ao socorro federal a população, estados e empresas.

A regra de reajustes reais no salário mínimo, calculados pelo INPC mais a variação do PIB de dois anos antes, foi criada pelo governo Lula, virou lei em 2012 no governo Dilma e expirou em 2019.

Neste período, não houve alta real do mínimo em apenas dois anos: 2017 e 2018, pois foram os anos cujo cálculo tomou como referência os anos de recessão: 2015 e 2016.

 

Orçamento mais apertado

Em suas previsões, a equipe técnica também elevou o rombo primário previsto para o governo central em 2021 a  233,6 bilhões de reais, ante o resultado negativo em 149,61 bilhões de reais fixado em abril. Este ano será o oitavo consecutivo de déficit primário para o país.

Também houve queda na previsão de receitas de abril para cá. A perspectiva agora é de 1,283 trilhão de reais , queda de 97,3 bilhões de reais no período. Já as despesas para o ano que vem foram estimadas em 1,517 trilhão de reais, recuo de 13,3 bilhões de reais na mesma base de comparação.

 
Quadro parcial

A tarefa de formular o plano de gastos e desesas para o ano seguinte é especialmente desafiadora desta vez, pois exige que a equipe técnica encontre brechas orçamentárias para atender a demandas sociais e econômicas que se tornaram mais urgentes na pandemia, mas sem perder o tom do ajuste fiscal, caro ao ministro da Economia, Paulo Guedes.

Um projeto em especial tem gerado mais incertezas sobre o que esperar desse processo, o Renda Brasil, plano permanente de renda básica cotado para ser substituto mais amplo do Bolsa Família, e uma das principais apostas econômicas e políticas do presidente Jair Bolsonaro para o período pós-pandemia.

 

O projeto ainda não consta nos planos de receitas e despesas que o governo enviou hoje. Segundo o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, porém, será anunciado no momento certo.

Já o Bolsa Família teve aumento de 5,373 bilhões de reais na comparação com o orçamento deste ano, a um total de 34,858 bilhões de reais. O aumento se deve, segundo a equipe econômica, à expectativa de um aumento do número de famílais elegíveis, em decorrência dos impactos da pandemia, de 13,2 milhões para 15,2 milhões de famílias.

Do jeito que está hoje, o Renda Brasil não caberia no teto de gastos (lei de 2017 para impedir o aumento dos gastos obrigatórios acima da inflação) do ano que vem. Ao menos que as despesas obrigatórias, com as quais o Orçamento está quase 95% comprometido, sejam reduzidas.

O plano do governo é ir por esse caminho, que tem grandes chances de encontrar ares promissores no Congresso agora. Mas, antes, precisa haver um consenso sobre o desenho do programa de renda e as contrapartidas orçamentárias para viabilizá-lo.

Diante da falta de concordância nesse sentido, sua inclusão no plano para o ano que vem deve ser feita com o auxílio dos parlamentares, ao longo das discussões dos próximos meses na Comissão Mista Orçamentária (CMO).

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Sindicato da Alimentação de Sorocaba​


Tel: (15) 3339-9250------
E-mail: sindicato@sindalimento.com.br
Endereço​​​​​​: Rua Piauí, 105 - Centro
Sorocaba - SP 18035-580

Filiado a

Subsede Tatuí


Tel: (15) 3259-6055
Endereço​​​​​​: Rua Aureliano de Camargo, 35
 - Centro - Tatuí - SP 18271-130

Siga-nos

  • Facebook Social Icon
  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle

Sindalimento

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now